Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Tocando agora: Carregando...

No comando: FLASH BACK TOTAL

Das 12:00 as 12:59

No comando: AMADO BATISTA

Das 6:00 as 7:00

No comando: GOSPEL HITS

Das 7:00 as 7:59

No comando: MUNDO SERTANEJO

Das 7:00 as 7:59

No comando: SÁBADO ALEGRE

Das 8:00 as 10:59

Val
No comando: Show 104

Das 08:00 as 11:00

No comando: Cristo é a Solução

Das 11:00 as 12:00

No comando: 104 MPB

Das 12:00 as 12:59

No comando: VOZ EVANGÉLICA – IGREJA DE CRISTO

Das 13:00 as 13:59

No comando: A VOZ DA PROFECIA

Das 13:00 as 13:59

No comando: CRISTO É A SOLUÇÃO – ASSEMBLÉIA DE DEUS

Das 13:00 as 13:59

No comando: BREGA: FUSCÃO PRETO

Das 13:00 as 14:30

1238235_336843019784982_2097465645_n
No comando: Tarde Popular

Das 14:00 as 16:00

No comando: MUSICAL VARIADO

Das 14:30 as 15:59

No comando: ESPECIAL 104,9

Das 16:00 as 16:59

No comando: PRESSÃO FORROZEIRA

Das 16:00 as 17:59

No comando: AS 30 MAIS DA PROGRAMAÇÃO

Das 18:00 as 19:00

No comando: A VOZ DO BRASIL

Das 19:00 as 20:00

Senado aprova lei que cria Documento de Identificação Nacional

Compartilhe:
rg

O plenário do Senado aprovou hoje (11) o projeto de lei que cria o Documento de Identificação Nacional, que reunirá dados biométricos e civis, como Registro Geral, Carteira Nacional de Habilitação, Cadastro de Pessoa Física (CPF) e título de eleitor em um único documento.

De acordo com o projeto, a Identificação Nacional dispensará a apresentação dos documentos que lhe deram origem ou nele mencionados e será emitida pela Justiça Eleitoral, ou por delegação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a outros órgãos para aproveitar o cadastro biométrico nacional realizado para as eleições. O documento será impresso pela Casa da Moeda e usará como base de identificação o CPF.

Conforme o texto, o documento único será emitido com base na Identificação Civil Nacional, criada pelo projeto com o objetivo de juntar informações sobre o cidadão. A nova base de dados será gerida pelo TSE, que garantirá o acesso à União, aos estados, ao Distrito Federal, aos municípios e ao Poder Legislativo.

O relator do projeto, senador Antônio Anastasia (PSDB-MG) acatou apenas uma emenda de redação e, por isso, o texto não precisará retornar para revisão da Câmara dos Deputados. Com isso, a matéria segue para sanção do presidente Michel Temer.

Deixe seu comentário: