Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Tocando agora: Carregando...

No comando: FLASH BACK TOTAL

Das 12:00 as 12:59

No comando: AMADO BATISTA

Das 6:00 as 7:00

No comando: GOSPEL HITS

Das 7:00 as 7:59

No comando: MUNDO SERTANEJO

Das 7:00 as 7:59

No comando: SÁBADO ALEGRE

Das 8:00 as 10:59

Val
No comando: Show 104

Das 08:00 as 11:00

No comando: Cristo é a Solução

Das 11:00 as 12:00

No comando: 104 MPB

Das 12:00 as 12:59

No comando: VOZ EVANGÉLICA – IGREJA DE CRISTO

Das 13:00 as 13:59

No comando: A VOZ DA PROFECIA

Das 13:00 as 13:59

No comando: CRISTO É A SOLUÇÃO – ASSEMBLÉIA DE DEUS

Das 13:00 as 13:59

No comando: BREGA: FUSCÃO PRETO

Das 13:00 as 14:30

1238235_336843019784982_2097465645_n
No comando: Tarde Popular

Das 14:00 as 16:00

No comando: MUSICAL VARIADO

Das 14:30 as 15:59

No comando: ESPECIAL 104,9

Das 16:00 as 16:59

No comando: PRESSÃO FORROZEIRA

Das 16:00 as 17:59

No comando: AS 30 MAIS DA PROGRAMAÇÃO

Das 18:00 as 19:00

No comando: A VOZ DO BRASIL

Das 19:00 as 20:00

Mais da metade dos suplementos usados para emagrecer é ineficaz

Compartilhe:
remedios-pilulas-comprimidos-10052019114925882

O Brasil, 53% das pessoas estão acima do peso, e 19,8% chegam à obesidade, segundo o Ministério da Saúde. Quem quer ou precisa emagrecer e pensa em recorrer aos suplementos alimentares pode se decepcionar.

É que um levantamento atualizado neste ano pelos Institutos Nacionais de Saúde (NIH, na sigla em inglês) norte-americanos mostra que 13 entre as 24 (58,3%) substâncias mais comuns nesses produtos têm mínimo ou nenhum efeito sobre o emagrecimento.

Foram avaliados 240 estudos. A conclusão é que suplementos à base de cafeína, por exemplo, famosos pelo efeito de acelerar o metabolismo, até podem levar a uma “possível redução modesta de peso”, mas é o máximo que atinge, já que não é consenso científico que qualquer uma das substâncias seja eficiente. Seis substâncias enquadram-se nessa categoria – o que representa 25%.

No caso da cafeína, uma pesquisa maior que acompanhou quase 60 mil pessoas por 12 anos concluiu que quem aumentou o seu consumo evitou ganhar menos de 1 kg em relação aos demais.

Mesmo anunciadas como emagrecedoras em lojas virtuais, outras opções não surtem efeito algum na perda de peso. É o caso da vitamina D, cuja deficiência é associada à obesidade.

Cientificamente, no entanto, não há evidências de que o maior consumo dela atue no sentido contrário. A goma guar também não teria efeito direto no emagrecimento, ainda que ajude na sensação de saciedade.

Os estudos permanecem inconclusivos sobre quatro substâncias (16,6%): a fucoxantina, os probióticos, a cetona de framboesa e outro termogênico, a laranja-amarga. Em lojas online, elas são associadas a potentes propriedades emagrecedoras.

“Quando se colocam em uma balança os potenciais benefícios e riscos dos suplementos, percebe-se que os ganhos são pequenos e questionáveis. Então, não se poderia sair divulgando que são seguros ou eficazes no combate à obesidade”, diz o endocrinologista Fulvio Thomazelli.

Termogênicos

O médico reforça que não há consenso acadêmico sobre a eficácia de substâncias termogênicas como a cafeína, o chá verde e a laranja- amarga. Elas são vendidas com a promessa de acelerar o metabolismo e, assim, ajudar no emagrecimento. Isso aconteceria porque agem sobre receptores adrenérgicos, que sinalizam às células que devem queimar mais energia.

“O que acontece no corpo é uma interação de inúmeras células e fatores hormonais. A célula não é um mecanismo isolado, então essa ativação metabólica não funciona igual em um organismo vivo”, diz.

A Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso) também não recomenda o uso de suplementos para perder peso. “Nossa primeira recomendação é procurar um endocrinologista para fazer um plano de emagrecimento”, diz o presidente Mário Carra.

O faturamento da indústria de suplementos no Brasil chegou a R$ 1,96 bilhão em 2018, informa a Associação Brasileira dos Fabricantes de Suplementos Nutricionais e Alimentos para Fins Especiais (Brasnutri).

Segundo pesquisa da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres (Abiad), 54% dos brasileiros consomem algum tipo de suplemento – não necessariamente os que dizem ajudar a emagrecer.

Deixe seu comentário: